5 obras de arte indianas recriadas na quarentena

Raja Ravi Varma (1848 - 1906) Sita Banavas , ou O Exílio de Sita

Em meio à pandemia do Coronavírus, quando a Índia está sob isolamento social, a arte do país é  homenageada  por meio de um desafio criativo no Instagram: as pessoas recriam, de suas casas, as famosas obras que mais gostam. A série foi intitulada #HomemadeIndianArt e lançada na página do Instagram @themuseumwallas.

O desafio foi inspirado em algumas iniciativas tomadas em outros lugares do mundo, como o do Rijksmuseum, de Amsterdã, e o Getty Museum, de Los Angeles (EUA). O BECO DA ÍNDIA destacou cinco recriações de obras famosas ou de autores desconhecidos, mas históricas.

AUTO-RETRATO:  de Amrita Sher-Gil (1913-1941), pintora húngara-indiana, pioneira da arte moderna do país,  apelidada de “Frida Kahlo indiana”. Muitas de suas pinturas eram no estilo europeu e incluía auto-retratos representando diferentes humores: sombrio, pensativo ou alegre, como este, em exposição na National Gallery of Modern Art, em Nova Delhi, que exibe uma Amrita Sher-Gil de sorriso aberto. 

PINTURA KALIGHAT: São tipos de pinturas nascidas no século 19, originárias do estado indiano de Bengala Ocidental e que se estabeleceram como uma escola específica da arte indiana. São relacionadas ao famoso templo hindu Kalighat Kali, de Kolkata (antiga Calcutá, capital de Bengala Ocidental), dedicado à deusa Kali.

PINTURA DE MINIATURA: Uma das características dessas pinturas históricas é o trabalho intricado com o pincel de cerdas finíssimas, conferindo essa identidade única. As cores derivam de fontes vegetais e no caso da Índia, os temas mais comuns são religiosos, mitológicos e musicais. Elas surgiram na Índia por volta do ano 750 da nossa era, na região Leste.

GAROTA APAIXONADA (1957): de Tyeb Mehta (1925- 2009), um dos mais valorizados pintores da arte moderna indiana, que tornou-se muito conhecido internacionalmente. Integrou o movimento Grupo de Artistas Progressistas de Mumbai e ficou famoso pelas suas séries diagonais.

SITA BANVAS (“O Exílio de Sita”): de Ravi Varma (1848-1906), um dos maiores artistas da Índia, que se notabilizou pelo uso de técnicas mistas, europeias e indianas. É celebrado por seus retratos realísticos de deuses hindus e personagens mitológicos, como este, que se refere a Sita, esposa do príncipe Rama, herói do milenar épico Ramayana.

— Equipe Beco da Índia

Seja o primeiro a comentar em "5 obras de arte indianas recriadas na quarentena"

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*