Como mulheres rurais aprendem engenharia solar

Uma faculdade de treinamento vocacional no estado indiano do Rajastão, criada por Sanjit Bunker Roy, conhecido ativista e educador, está ajudando a iluminar milhares de casas em vilarejos pobres. Os cursos oferecidos estão enraizados na filosofia de Mahatma Gandhi, que defendia fazer com que os vilarejos da Índia fossem mais auto-suficientes.

Tilonia é um pequeno vilarejo do distrito de Ajmer, no Rajastão (norte da Índia). À primeira vista, o lugar parece ser como qualquer outra cidadezinha do interior da Índia: cabras pastam em sua paisagem semi-árida e mulheres com cabeças cobertas pelos ‘pallus” (tecido do sari) de cores chamativas.

O Barefoot College na India

Mas Tilonia ficou famoso por sediar o Centro de Pesquisa em Trabalho Social, popularmente conhecido como Faculdade Barefoot (algo como “Faculdade Pé no Chão”). É um instituto que oferece treinamento vocacional para a população rural e funciona com energia solar.

O instituto começou com o objetivo de oferecer soluções para o problema de falta de água na Índia rural. Mas com o tempo a missão passou a ser o empoderamento dos marginalizados e o desenvolvimento sustentado da região.

Estudantes, principalmente mulheres, são selecionados dentre os habitantes dos lugarejos mais pobres. Eles recebem treinamento vocacional em áreas variadas como energia solar, tratamento da saúde, educação, artesanato.

A faculdade decidiu começar a treinar as mulheres rurais analfabetas no ramo da engenharia solar em 2003. A tarefa mais difícil, à época, foi convencer doadores, elaboradores de políticas públicas e integrantes masculinos das comunidades a aceitar a “possibilidade” de aquelas mulheres serem treinadas. O treinamento inclui instalação, conserto e manutenção de unidades de iluminação solares.

— Equipe do Beco da Índia

Uma reportagem sobre o assunto foi publicada no website The Better India.

Seja o primeiro a comentar em "Como mulheres rurais aprendem engenharia solar"

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*