Do trigo à mesa: os pães indianos nossos de cada dia

Credito: Prato de naan do restaurante Samosa & Company em São Paulo

Uma das principais características da culinária indiana, especialmente do norte no país, é o pão sem fermento. Os pães acompanham pratos principais, como vegetais ao molho, frango ou peixe ao curry, feijão, lentilha e grão de bico. Mas há vários tipos e essa variedade reflete a própria diversidade da gastronomia indiana.

Feitos de atta (farinha integral) ou maida (farinha branca) e água, com um pouquinho de sal ou sem sal, de acordo com o gosto do freguês, eles são deliciosos e usados como forma de pegar a comida para os que preferem não usar talheres, um costume indiano. A pessoa faz um pequeno envelope com um pedacinho de pão e pega a comida. Alguns dos principais são chapati (também chamado roti), paratha, naan e puri (ou bhatura). Há diferentes formas de preparo e o uso de variados ingredientes. Mas é bom ressaltar que no Sul da Índia e no Nordeste do país (como no estado de Bengala Ocidental), se come mais arroz ou espécie de crepes como acompanhamentos.

Chapati. Credito: Florencia Costa

Chapati (ou roti)
Chapati é o pão que mais se come no dia-a-dia, o mais fácil de se fazer. Usa-se uma tava, espécie de chapa indiana. São feitos com farinha integral e água, sal opcional e um pouquinho de óleo. Mistura-se esses ingredientes até formar uma bolinha. Deixa-se descansar por meia hora, e sobre uma tábua desenrola-se a bola com um rolo de madeira (daqueles para fazer pastel em casa) . Ou então, uma opção de emergência é uma garrafa de vidro de vinho, por exemplo. Após desenrolar a massa, a sua forma parece a de uma panqueca. A espessura e o tamanho dependem do gosto da pessoa. Coloca-se um pouquinho de ghee (manteiga clarificada) na chapa (ou frigideira). O pão é preparado na frigideira, virando-se os dois lados.

Credito: Wikipedia

Paratha (ou parantha)
Pão folhado e recheado. O recheio mais comum é batata amassada com especiarias, mas há vários outros tipos:  com purê de couve-flor, com cebola picada, com alho, com panner (ricota indiana), com espinafre etc. O céu é o limite nesse quesito.  A maneira de preparar é semelhante aos dos folhados, acrescentando-se ghee ou manteiga na massa, em camadas. De formato quadrado, redondo ou triangular, é uma excelente opção para o café da manhã ou para o lanchinho da tarde, acompanhado de chai (chá preto com especiarias) .

Naan 
A origem desse pão achatado e oval delicioso é a Pérsia. O naan geralmente é consumido em restaurantes, já que é preparado no tandoor, um antigo forno indiano feito de barro. É um pão chato feito com fermento e farinha branca. Leite ou iogurte podem ser usados para dar outros gostos e texturas. É perfeito para comer com kababs, por exemplo, os espetinhos de carne moída de frango ou de carneiro, preparados no fogo. Os próprios kebabs são também originários da Pérsia, muito consumidos durante o domínio dos imperadores mogóis muçulmanos em boa parte da Índia entre os século 15 e 19.

Credito: Wikipedia

Puri 
Puro pecado, é um pão frito de farinha integral ou de farinha branca, geralmente servido no café da manhã, como lance da tarde ou à noite em uma pequena refeição. Dependendo da receita, a massa pode conter sementes de cominho. Vem sempre acompanhado de um curry (molho) ou grão de bico. Também pode acompanhar algum doce. Faz-se pequenas bolinhas com a massa e desenrola-se. Seu tamanho é pequeno, do tamanho das massas de pastéis já prontas vendidos nos supermercados brasileiros. — Equipe Beco da Índia.

— Equipe Beco da Índia

Seja o primeiro a comentar em "Do trigo à mesa: os pães indianos nossos de cada dia"

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*