Inspire, expire: a técnica milenar que ensina a respirar

Credito: PxHere

A reação de quem ouve pela primeira vez a palavra pranayama é: “prana o quê ” ? Primeiro inspire, depois expire. Aí diga: pranayama. São técnicas de respirações praticadas há milhares de anos na Índia e que integram o sistema do Ioga. Naquela época, já eram usadas como uma forma de acalmar pensamentos e emoções desenfreadas.

Esse é o momento de fazermos tudo para preservarmos nosso equilíbrio, para enfrentar as semanas dicíceis que teremos pela frente com a pandemia do #Covid19. Aproveite esse período em que está em casa e informe-se mais sobre os benefícios do Pranayama e do Ioga.

O objetivo do pranayama é promover a revitalização energética e com isso manter a saúde física e a clareza mental. Você pode ficar alguns dias sem comer ou beber água. Mas sem respirar não. Por isso é muito importante assumir o controle consciente da respiração e absorver mais oxigênio vitalizador.

Credito: Pixabay

Pranayama vem de duas palavras do Sânscrito antigo: prana (força vital) e ayama (extensão). Ou seja, a “extensão da força vital”. Autor do livro “Pranayama, a respiração para revitalização energética” (traduzido do inglês pela Editora Nova Era), Scott Shaw, que é escritor, praticante de artes marciais, e professor de ioga há 25 anos, explica didaticamente como verificar se você está respirando corretamente. Esse é o primeiro passo antes de começar a colocar em prática os exercícios de pranayama em si. “O ar que respiramos é nosso passaporte para a vida”, diz Shaw.

Aqui, umas dicas do autor sobre como se preparar para o pranayama (o Beco da India pubicará uma outra matéria sobre os exercícios de pranayama em si). A primeira coisa que uma pessoa que nunca experimentou pranayama deve fazer, segundo Shaw, é uma respiração consciente. Você deve inspirar profundamente elentamente, pelas narinas, dirigindo o ar para dentro do abdômen. Ao mesmo tempo em que faz isso, sinta a área do estômago que vai se expandir. Prenda a respiração por um ou dois segundos e solte o ar pelo nariz na mesma velocidade em que você o inspirou.

Em seguida, Shaw aconselha que você faça uma análise de sua respiração: você está fazendo de forma correta? Em primeiro lugar, você deve respirar pelas narinas, de forma consciente, e não pela boca. Em seguida, quando você inspira, verifique se seu peito e estômago se expandem ou se contraem. Se contraem, assuma o controle de sua respiração e faça-os expandirem de forma bem natural durante a inspiração e a se contraírem na expiração.

O terceiro passo da análise é perceber se o ar que você inspira penetra no abdomen profundamente ou finaliza apenas no peito. A resposta aqui é que o abdômen deve receber o ar inspirado. Depois, Shaw pede para que observe o que você sente enquanto o oxigênio entra e sai de seu corpo. Isso fará você elevar o nível de sua consciência, corrigindo todos os seus padrões respiratórios antinaturais, elevando o seu nível de energia.

— Equipe Beco da Índia

Seja o primeiro a comentar em "Inspire, expire: a técnica milenar que ensina a respirar"

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*