Masala chai, o cafezinho dos indianos

Crédito: Florência Costa

Espumoso, perfumado pelas especiarias, encorpado pelo leite e com leve toque apimentado, o masala chai conquistou a Índia no século 20

Os amantes do café que perdoem a constatação, mas o masala chai é fundamental. Escritor nascido na Índia britânica em 1903, George Orwell descreveu, no ensaio “Uma boa xícara de chá” (1946), onze regras para preparar, de forma perfeita, essa bebida. A primeira regra é que o chá deveria ser da Índia ou do Ceilão (atual Sri Lanka).   

A plantação da Camellia sinensis, que já existia na Índia, passou a ser mais incentivada a partir do século 19 por determinação dos colonizadores britânicos para aumentar a produção do chá. Aos poucos, o chá chinês consumido na Inglaterra foi substituído pelo chá da Índia e do antigo Ceilão.

Masala chai em loja de chá de Mumbai. Crédito Florência Costa

Os indianos, que antes consumiam o chá como bebida aiurvédica medicianal, passaram a adotar o chai de forma maciça a partir do início do século 20, após uma campanha de promoção feita pelos britânicos em fábricas. Os colonizadores encorajavam a sua forma de praparar a bebida, com  a adição de um pouquinho de leite na xícara.

Mas os indianos mudaram a forma de preparar a bebida, que nada tinha a ver com a maneira prescrita por Orwell muitos anos depois. Os vendedores de chai, os  chamados chaiwallas, muito comuns nas estações de trem, preparavam a bebida à sua maneira: com bastante leite e as especiarias. Era uma bebida perfeita porque também forrava o estômago dos trabalhadores. O masala chai virou o cafezinho dos indianos. Os mesmos copinhos de vidro nos quais os botequins brasileiros servem o cafezinho são usados na Índia pelos vendedores de chai, os chamados chaiwallas

O masala chai espumoso, geralmente com leve toque apimentado que conquistou o coração dos indianos é feito de folhas secas de chá preto, misturado com leite na panela, açúcar e especiarias, inclusive, cravo, canela e cardamomo. Dependendo da região, as especiarias mudam, embora esse trio seja presença constante. Pode-se acrescentar também pimenta-do-reino, gengibre, aniz estrelado e noz moscada.

A palavra “chai”, do Hindi, derivou da palavra chinesa  “cha”. Desde o século IV a.C, monges budistas chineses já utilizavam essa bebida nas suas meditações, para aumentar a concentração mental e evitar o sono.

A Camellia sinensis teria sido originária de florestas do Leste dos Himalaias. Esta região tem grande variedade de temperaturas. A cadeia montanhosa cresce a partir de regiões baixas tropicais, com fortes chuvas em determinadas épocas do ano (monções). Assam, estado indiano localizado nessa área é o centro da produção na Índia.

Quadro em loja de chá de Mumbai. Crédito Florência Costa

Aqui está uma das receitas básicas de masala chai, que vai aquecer os nossos corações no inverno brasileiro:

Ingredientes para duas xícaras

— 1 xícara e meia de  leite
— 1 xícara e meia de água
— 2 colheres de sopa de chá ou 2 saquinhos de chá preto
— 2 cardamomos
— 2 cravos
— 2 canelas em pau ou uma pitada grande de canela em pó
— 1 pedaço de gengibre

Modo de preparo

Aqueça a água numa panela pequena. Quando estiver quente, adicione o chá e as especiarias. Deixe ferver por 8 minutos e adicione o leite e deixe ferver. Observação: se você tiver triturador ou pilão, pode triturar as especiarias antes de colocá-las na panela.

— Equipe Beco da Índia

Veja aqui um vídeo mostrando como se faz masala chai

Seja o primeiro a comentar em "Masala chai, o cafezinho dos indianos"

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*