Quarentena com dança indiana na internet: palestra sobre estilo clássico e aulas de Bollywood quebram a monotonia e ajudam a manter o espírito elevado

Os deuses cantam e dançam para Shiva e Parvati nesta pintura do século XVIII. Crédito: Wikipedia

Aulas de Bollywood dance e palestras sobre os estilos clássicos de danças indianas. O distanciamento social é importante para evitar o aumento dos casos do novo Coronavírus, mas a quarentena não isolou a cultura indiana de seus adetos e de curiosos que decidiram aproveitar o tempo em casa para aprender mais e praticar.

Sublimes e divinas, diz-se que as sofisticadas danças clássicas indianas nasceram com os deuses hindus. As referências às danças já existiam em imagens esculpidas em paredes já na Índia antiga, centenas de anos antes da nossa Era. As imagens celebravam, eram adorações aos deuses, explicou a professora de dança clássica e coreógrafa Patrícia Romano, uma das pioneiras no Brasil, em uma palestra aberta na internet, realizada na tarde do dia 9 de abril.

Anúncio de aula teórica de dança clássica oferecida no dia 9 de abril pela internet
por Patrícia Romano

Na rica história da Índia há várias escrituras antigas e não poderia deixar de ter uma que se referisse à dança e ao teatro: é o Natyashastra, a base das danças, lembrou a professora, discípula de uma importante guru na Índia, Shrimathi Kalamandalam Sumathi e por influência dela iniciou no Brasil a primeira Escola Natyalaya.

Iara Ananda (direita). Credito: IASP

Considera-se em geral que há sete danças clássicas indianas: bharatanatyam, kuchipudi, kathakali, manipuri, odissi, Mohiniattyam, e kathak (embora a origem desta última seja de persa). Patricia Romano foi precursora no Brasil do Bharatanatyam, Mohiniyattam e Kuchipudi, nos anos 90.

Na sua palestra ela internet, Patrícia Romano focou mais no estilo Bharatanatyam, muito relacionado às escrituras sagradas. Exibindo uma pequena escultura de bronze de Shiva Nataraja, que simboliza a dança, a professora explicou a importância da forma geométrica triangular nessa arte, um detalhe bastante interessante e pouco conhecido dos leigos. “A dança é feita em cima dessa estrutura em triângulos”, disse. Uma aluna perguntou sobre a relação entre dança e ioga. Segundo Patrícia, a dança também pode ser chamada de Ioga dinâmica. Ioga, significa união do corpo, da mente e do espírito, aqui e agora. E essa união também pode ser alcançada pela dança, acrescentou a professora.

Disha Malani. Credito: Elza Cohen

Desde o início da quarentena, outras aulas ocorrem nas redes sociais, para alegria dos alunos e dos curiosos em cultura indiana. Todas as sextas-feiras, por exemplo, Iara Ananda, professora do Grupo Bollywood Brazil, dá aulas abertas desse estilo pop de dança indiana, sempre presentes nos filmes musicais da Índia. Filha de Patrícia Romano, Iara Ananda também é professora do Centro Cultural Swami Vivekananda, ligado do consulado da Índia em São Paulo, onde dá aula de Bharatanatyam, e participa do Bloco Bollywood, o carnaval de rua da comunidade indiana no Brasil.

Disha Malani, do grupo Feels Like India, que também participa do Bloco Bollywood, tem dado aulas online de dança pop indiana, algumas vezes promovendo uma mistura com outros estilos musicais. Disha costuma dar aulas de Bhangra, um estilo de dança e música folclórica do estado do Punjab, no Norte da Índia, além de Bollywood.

— Equipe Beco da Índia

Seja o primeiro a comentar em "Quarentena com dança indiana na internet: palestra sobre estilo clássico e aulas de Bollywood quebram a monotonia e ajudam a manter o espírito elevado"

Deixe seu comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*